<<90000000>> espectadores
<<240>> empresários em 17 países
<<4135>> vídeos de agroecologia
<<105>> idiomas disponíveis

Uma revolução para o nosso solo

O solo degradado pode ser recuperado e reposto com nutrientes até que produza colheitas abundantes a custos mais baixos, enquanto remove o carbono da atmosfera e o devolve ao solo. Essa é a mensagem otimista do livro de David Montgomery, Cultivando uma Revolução (Growing a Revolution, em inglês).

Em muitos lugares do mundo, os solos foram degradados pela aragem frequente. Os benefícios de liberar uma grande quantidade de nutrientes para as plantações e eliminar as ervas daninhas são superados pela exposição do solo à erosão pelo vento e pela água.

No Meio-Oeste dos EUA, talvez metade do solo original da planície e a maior parte de sua matéria orgânica tenham sido perdidos em pouco mais de um século de cultivo convencional. Os fertilizantes químicos fornecem os principais nutrientes de fósforo, potássio e nitrogênio em curto prazo, mas prejudicam a saúde do solo em longo prazo ao eliminar os fungos micorrízicos.

Esses fungos micorrízicos alimentam as plantas enquanto produzem glomalina, uma proteína que une as partículas do solo. A aragem destrói a estrutura do solo criada pelos fungos benéficos e sua glomalina.

Montgomery, geólogo profissional, explica que a maioria dos solos não precisa de fertilizantes químicos. Eles têm fósforo, potássio e todos os nutrientes menos importantes, como ferro e zinco, necessários para as plantas, mas esses minerais estão presos em partículas sólidas e em outras formas não acessíveis para as plantas.

A chave para o uso desses nutrientes são os micróbios benéficos, como os fungos micorrízicos que extraem os nutrientes minerais dos fragmentos sólidos e ajudam a decompor a matéria orgânica para que as plantas possam utilizá-la. Os micróbios trocam o fósforo para as plantas por açúcares. Artrópodes predadores, nematoides e protozoários se alimentam dos micróbios e liberam os nutrientes de volta no solo. Uma vida diversificada torna o solo mais fértil.

Os fertilizantes químicos interrompem essas interações, e os fungos micorrízicos morrem, fazendo com que a cultura se torne dependente de produtos químicos. O solo que é rico em matéria orgânica (ou seja, em carbono) é mais saudável e suporta uma comunidade produtiva de microrganismos benéficos.

Mas, com os devidos cuidados, o solo pode voltar a ser saudável em poucos anos. As técnicas corretas podem aumentar o carbono do solo de 1% (típico de solos degradados) para 4% (como em uma floresta intocada) ou até mesmo para 6%. Há muitas dessas técnicas, e elas têm vários nomes, incluindo "agricultura de conservação", "agroecologia" ou "agricultura regenerativa", e são baseadas em princípios simples: 1) usar culturas de cobertura (ou cobertura morta) para manter o solo coberto o tempo todo; 2) rotações de culturas complexas de gramíneas, verduras e outras culturas; e 3) plantio direto, plantando sementes diretamente na terra não arada.

Montgomery leva seus leitores a conhecer agricultores do Kansas à Pensilvânia, de Gana à Costa Rica, que estão praticando e obtendo bons resultados com esses três princípios. Alguns são agricultores orgânicos; outros aplicam pequenas quantidades de fertilizante de nitrogênio diretamente no solo, perto da semente, onde a planta pode absorvê-lo com eficiência. Vemos que alguns usam minhocas, enquanto outros, como Felicia Echeverría, na Costa Rica, fazem suas próprias misturas de microrganismos benéficos para revitalizar o solo morto. Gabe Brown, em Dakota do Norte, faz a rotação de gado em pequenos piquetes, em grandes campos. Quando as vacas pastam, elas fertilizam o solo com esterco.

Montgomery e o cientista do solo Rattan Lal estimam que a agricultura de conservação poderia compensar de um a dois terços das emissões atuais de carbono, devolvendo matéria orgânica ao solo e, ao mesmo tempo, reduzindo a necessidade de cultivo e, portanto, os gastos com combustível. Os obstáculos para a adoção da agricultura de conservação incluem subsídios e seguro de safra, que mantêm os agricultores arando e dependentes de fertilizantes químicos. Outro obstáculo é a pesquisa formal, que continua favorecendo estudos de produtos que as empresas podem vender – soluções químicas para problemas biológicos, como explica Montgomery.

Apenas 2% da pesquisa agrícola dos EUA é destinada à agricultura regenerativa (e apenas 1% globalmente). Grande parte da inovação para revitalizar o solo não é impulsionada por pesquisas financiadas, mas pelos próprios agricultores, que demonstraram que a agricultura de conservação, a agroecologia e a permacultura podem ser mais produtivas, com menos problemas de pragas.

A agricultura de conservação reduz as despesas com insumos e, portanto, é mais lucrativa do que a agricultura convencional. O solo conservado de forma adequada sofre pouca erosão – ele absorve a chuva nos anos úmidos e retém a umidade nos anos de seca.

Montgomery se preocupa com o fato de que, quando os agricultores industrializados e de grande escala mudam do cultivo para a agricultura de conservação, deve haver um período de transição em que os lucros caem, antes que o solo melhore o suficiente para aumentar a produtividade. Ele teme que isso possa desestimular os agricultores a mudar para a agricultura de conservação. No entanto, tenho certeza de que os próprios agricultores encontrarão uma solução para isso.

Como experimentadores naturais que são, os agricultores podem experimentar práticas agrícolas ecológicas com redução de cultivo, primeiro em um campo ou parte dele, criando gradualmente as práticas de que precisam, um lote de cada vez. A boa notícia é que a agricultura de conservação pode ser adotada em fazendas grandes ou pequenas, convencionais ou orgânicas, mecanizadas ou não. A agricultura pode reconstruir o solo, mas não precisa destruí-lo.

Para ler mais sobre o assunto:

Montgomery, David R. 2017 Growing a Revolution: Bringing Our Soils Back to Life. New York: Norton. 316 pp.

Vídeos relacionados da Access Agriculture

https://www.accessagriculture.org/search/solo/pt/144  

© Copyright Agro-Insight

 

Como você pode ajudar... Sua doação e generosidade nos permitirá melhorar o acesso do pequeno agricultor a orientações agrícolas em seu próprio idioma.

Latest News

Agredecemos nossos apoiadores